O processo de impermeabilização passo a passo

Afinal, você sabe como funciona o processo de impermeabilização? De uma forma geral, impermeabilizar algo, independente de qual seja o objeto impermeável, área ou material, é impedir com que a água ou qualquer outro fluído possa atravessá-lo.

Notando que as informações sobre impermeabilização são um tanto quanto limitadas, esse artigo tem como objetivo mostrar para você todos os processos para a impermeabilização de um objeto.

Para complementar este artigo, leia também nosso post sobre como impermeabilizar lajes e como manter a laje impermeabilizada.

Processo de impermeabilização: três fundamentos

Processo de impermeabilização flexivel a base de elastomero

Continuando ao foco deste artigo, primeiramente entenda que o processo de impermeabilização se caracteriza em três fundamentos diferenciados de infiltração.

– O primeiro consiste na impermeabilização para ambientes, onde há a presença de água sob pressão;

– Já o segundo é para água com caráter de percolação;

– E o terceiro é relacionado à impermeabilização contra a umidade nos solos.

Além disso, o processo de impermeabilização possui algumas normas para que ocorra com segurança e de forma correta. A primeira regra consiste na elaboração do projeto, que pode ser realizado para uma empresa ou organização específica. Depois disso, começam os estudos do local onde a prática será implantada, para definir regras, preços, tempo de execução e demais informações pertinentes ao processo. Isso feito, a execução é liberada e, por fim, é necessário incluir matérias e sistemas ao processo de impermeabilização, para que ele flua corretamente como o planejado.

 

Como saber se precisamos da impermeabilização

Mas, afinal, quando decidir optar pelo contrato com alguma empresa responsável pela impermeabilização? Comece analisando a sua própria residência. Se manchas (provocadas pela umidade da água) começarem a aparecer, por exemplo, é sinal de que é necessário impermeabilizar aquele ambiente. Geralmente, essas manchas são provocadas após chuvas e quando a umidade toma conta do tempo da cidade, afetando as residências e organizações. Quando essas manchas começam a se tornar mofo, a situação fica ainda pior, e não há limpeza de casa que as façam desaparecer.

Visando ainda que os processos de impermeabilização são realizados conforme diferentes soluções, você deve saber escolher qual é a indicado para o tipo de serviço que você necessita. A manta asfáltica, por exemplo, geralmente é a mais comum, utilizada com frequência em grande parte dos processos de impermeabilização, pois tem funcionalidades específicas para cada área ou ambiente.

 

Diferentes aplicações de impermeabilizantes

Geralmente, aconselha-se o uso das mantas asfálticas em telhados, lajes, ou também áreas onde há grande fluxo de indivíduos. Em processos para impermeabilização de terraços, estacionamentos (cobertos ou não), varandas residências e baldrames a manta asfáltica é a mais indicada, lembrando ainda que é necessário escolher a manta adequada para a atividade que será realizada, pois essa também apresenta diferenciações.

Já o processo de impermeabilização com mantas líquidas geralmente ocorre em lajes para cobertura de ambientes, em abóbadas, marquises e também em telhas específicas (de fibrocimento). Um pouco mais frágil do que a manta asfáltica, a manta líquida é utilizada em locais onde há tráfego de pessoas, deve conter ainda um sistema que faça uma ligação entre a manta e uma tela de poliéster, a fim de diminuir qualquer risco de ruptura da manta e consequentemente do processo de impermeabilização.

Agora que você já conhece todas as informações pertinentes ao processo de impermeabilização, suas especificações e diferenciações, não perca mais tempo e procure esse sistema em busca da solução dos seus problemas!

Compartilhe conosco sua opinião sobre processos de impermeabilização de objetos ou construções. Deixe um comentário abaixo!

Boa obra e até o próximo post!

 

Vídeo | Impermeabilização flexível a base de elastômero

https://youtu.be/UPeIJ87ah8k

 

Veja também:

Deixe um comentário

*